PUB
Inicio Business / Empresas "As medidas do Governo são péssimas"

“As medidas do Governo são péssimas”

Entrevista em março de 2020

Pedro Félix é dono da empresa de componentes UFG – Componentes & Accessories, Unipessoal Lda, que se localiza em Lagares onde laboram cerca de quarenta e dois funcionários. Foi encerrada por iniciativa da entidade patronal, duas semanas. “Quando se começou a falar muito em Covid-19, no concelho, optamos por encerrar”, voltando esta semana a laborar, uma vez que as medidas do governo não são as mais acolhedoras.

Acredita que se todas as estruturas encerrassem seria mais prático combater o vírus e também reorganizar o sector, que vai acabar por parar. “Tenho conhecimento que várias empresas estão a suspender as suas funções por diversos motivos como a falta de encomendas e de materiais. Estamos perante um problema global. Algumas empresas continuam a trabalhar, mas as lojas estão fechadas. O negócio é inexistente”, esclarecendo que este modelo de negócio é um ciclo, em que as lojas vão acumular stock e as fábricas vão ter que parar de produzir. “É fácil prever o que vai acontecer: As lojas não estão a vender a coleção de verão. Como os nossos clientes não estão a ter retorno financeiro, as
próximas coleções sofrem constrangimentos. Isto funciona com budgets, ou seja, o comprador de uma marca tem um budget de 10 milhões de euros para comprar a coleção de verão.

O número de vendas dessa coleção é que vai determinar o número de budgets, das coleções seguintes. Neste caso já estaríamos a desenvolver a coleção de verão 2021”, referindo que as compras, no próximo ano vão ser afetadas, porque não vai haver dinheiro e consequentemente vão ter que cancelar encomendas, um problema que vai afetar os negócios. “A coleção de verão 2020 devia estar agora a ser vendida nas lojas e não está. Com o aumento de stock, em 2021, vão dar prioridade ao escoamento destes produtos acumulados e não mandar produzir mais. Ou cancelam encomendas, ou colocam em standby, apesar de achar que vão ter mesmo que cancelar”, expondo que não compreende como as empresas vão resistir. O empresário de solas prefere que os pedidos sejam cancelados, do que estar a vender, sem saber se vai receber. “As medidas que o governo adotou para apoiar as empresas são péssimas e inexistentes. Basicamente estão a pedir endividamentos para serem pagos mais tarde. Dizem para irmos ao banco, com uma taxa de 1 % ou 1,5% que é altíssima. No fundo não nos estão a ajudar em nada, mas a pedir que nos endividemos e depois logo se vê”, medida que Pedro Félix não considera pertinente para a sua empresa: prefere mesmo fechar portas, do que contrair um empréstimo. “Não sabemos se vamos conseguir liquidar o empréstimo, no futuro, portanto não considero uma boa medida”, afirmando que durante alguns meses as empresas não vão aguentar.

PUB
PUB

Mais Populares

“Os cidadãos não precisam de qualquer declaração para saírem do concelho”

Na sequência das medidas especiais decretadas para Felgueiras, Lousada e Paços de Ferreira, há várias questões que os cidadãos têm colocado.

Fábrica de calçado em Torrados encerra e deixa mais de 100 trabalhadores no desemprego

Uma fábrica de calçado, na freguesia de Torrados, encerrou na manhã de terça-feira. A que o SF apurou...

Subscreva a nossa newsletter

Para ser atualizado com as últimas notícias, ofertas e anúncios especiais.

Últimas

Feiras apenas podem comercializar produtos alimentares em período de confinamento

As feiras de Felgueiras e da Lixa apenas vão poder comercializar produtos alimentares durante o período de confinamento, que arrancou às 00h00...

Ciclista José Neves assinou contrato em Felgueiras com W52 – FC Porto

O ciclista José Neves é o mais recente reforço da equipa portista para a nova época de 2021.