PUB
Inicio Cultura Sofia Soares apresentou livro "Sobressalto da Alma", na Lixa

Sofia Soares apresentou livro “Sobressalto da Alma”, na Lixa

Sofia Soares, tem 23 anos. Natural da Lixa, é Licenciada em Ciências da Comunicação: Jornalismo, Assessoria e Multimédia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto e Mestre em Marketing e Estratégia pela Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho. Apaixonada pela poesia, artes e associativismo, começou a escrever aos oito anos e nunca mais largou o papel e a caneta. “Sobressalto da Alma” tem a chancela da Chiado. Na esplanada em frente à Igreja, no centro da Lixa, a autora tinha uma plateia bem composta e com muitos jovens.

Sofia Soares na apresentação da sua obra, que decorreu este sábado na Lixa.


Admiradora de Fernando Pessoa, Sofia Soares, apresentou no sábado o seu
primeiro livro de poesia “Sobressalto da Alma”, que reúne 126 poemas escritos
entre 2004 e 2020.


A sessão cultural decorreu na Esplanada das Vitórias, em frente à Igreja da Lixa e contou com a declamação de poemas e uma atuação de piano e canto com “No teu poema” de Carlos do Carmo.


“É um espaço aberto dentro do que é possível neste momento, para os amigos e família”, referiu.

A autora revela que desde muito nova se sente influenciada pela obra de Fernando Pessoa, autor sobre o qual leu quase tudo. Sophia de Mello Breyner também foi uma poetisa que exerceu influencia na linha de criação de Sofia Soares. Quando aos 8 anos de idade
escreveu o seu primeiro poema, ninguém acreditou ser da sua autoria, tal era a profundidade do texto.

“A minha mãe andou a procurar na Internet porque não acreditava que tivesse sido eu a autora”, disse ao SF.


“Sobressalto da Alma” é uma espécie de coletânea de poemas postos no papel em várias fases da vida da autora, desde a infância, juventude e idade adulta.

Escritora na apresentação do livro na Lixa

Porquê este título?
Queria que fosse só ‘Sobressalto’, mas
por direitos de autor etc. teve que se
acrescentar de alma. A minha escrita
foi influenciada por Fernando Pessoa,
mais na parte ortónimo, porque leio
Fernando Pessoa desde muito nova.
Os poemas ás vezes parecem um pouco
confusos e que não fazem sentido.
Faço comparações ambíguas que parecem
uma confusão, mas na minha
cabeça acaba por fazer sentido e a
dada altura escrevi um poema em que
se sobressaiu a palavra ‘Sobressalto’ e
aquilo soava a algo. Fez todo o sentido
e já pensava que se um dia escrevesse
um livro que fosse esse o nome.
Uso muito esta frase que é: “Sobressalto
quer dizer um salto, mas sobressalto
também pode ser a vida”. É a
definição mais correta para esse livro.

Disse que é influenciada por Fernando
Pessoa. Na parte dos heterónimos?

Apesar de eu gostar dos heterónimos
e sobretudo de Álvaro de Campos,
o mais revolucionário, sempre
gostei mais do ortônimo porque me
identifico com as fases dele mais depressivas
a escrever e os meus poemas
também são um pouco assim.


Identifica-se com ele, numa questão
pessoal?

Um bocadinho sim. Não tanto pelas
loucuras dele. Desde muito nova que li
muitos poemas dele. Agora ando a ler
o ‘Desassossego’ e muita poesia e fui-
-me habituando àquele tipo de escrita.

Apesar da leitura e da sua paixão
por Fernando Pessoa, como surge
a ideia de escrever este seu livro?

Comecei a escrever aos oito anos.
Com o passar dos anos fui escrevendo e desde muito nova que digo que gostava de escrever um livro.

Quem é Sofia Soares do ponto de
vista literário?

É alguém que ainda se está a tentar descobrir,
mas que tem uma ideia definida
do que quer e do que gosta de escrever.


O livro é uma analogia sua?
Com este livro quero passar aquilo
que penso e o que sou.

Esteve algum tempo sem escrever?
Sim, cerca de dois anos, na altura do
falecimento da avó. É o tal bloqueio
que dizem que todos os escritores
têm. Um dia senti um clique na escola
onde estudei e voltei.


Quando é que escreve?
Sobretudo à noite.


O que espera deste livro?
Não estou á espera de atingir vendas,
mas que as pessoas gostem.

PUB
PUB

Mais Populares

“Os cidadãos não precisam de qualquer declaração para saírem do concelho”

Na sequência das medidas especiais decretadas para Felgueiras, Lousada e Paços de Ferreira, há várias questões que os cidadãos têm colocado.

Fábrica de calçado em Torrados encerra e deixa mais de 100 trabalhadores no desemprego

Uma fábrica de calçado, na freguesia de Torrados, encerrou na manhã de terça-feira. A que o SF apurou...

Subscreva a nossa newsletter

Para ser atualizado com as últimas notícias, ofertas e anúncios especiais.

Últimas

Hélder Pedro abandona FC Felgueiras

O médio Hélder Pedro deixou de fazer parte do plantel do FC Felgueiras. O jogador felgueirense chegou a acordo com a administração...

Orçamento para o ano de 2021 aprovado com votos contra do PSD

O orçamento para o ano de 2021 foi aprovado, esta quarta-feira, em reunião de Câmara, com os votos contra do PSD.